segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Como os consumidores exercem o seu poder em uma economia livre (Christopher Westley)


Tradução: Marcelo Werlang de Assis
Publicado originalmente aqui.
 
 
 
Na história do pensamento econômico, um dos meus economistas prediletos é o grande pensador austríaco Carl Menger (18401921). Embora o mainstream da profissão econômica reconheça o lugar de Menger na ciência econômica em virtude da sua contribuição à “Revolução Marginalista” da década de 1870, ele o ignora porque a sua estrutura teórica não se presta para prescrições de políticas governamentais. Em uma época em que a profissão econômica vê a si mesma, em grande medida, como uma ordinária filial do governo — o qual atribui a si próprio a tarefa de administrar a economia , pensadores como Menger (e como os intelectuais que trabalham no arcabouço da sua tradição) não são enaltecidos ou estudados da mesma forma como — e na mesma medida em que — gente da estirpe de Irving Fisher, John Maynard Keynes, Milton Friedman ou Paul Krugman tem sido engrandecida e analisada.
Isso é verdade apenas porque o estado tende a não financiar acadêmicos ou escolas de pensamento econômico que não promovam o seu papel central na economia ou que não forneçam justificativas econômicas para as suas intervenções nas forças do mercado. Se não fosse por essa simbiose com o governo, o estudo do monetarismo da “Escola de Chicago” ou do keynesianismo da “Ivy League” teria atualmente muito menos destaque e proeminência na ciência econômica.
A estrutura teórica de Menger difere de tantas interpretações e concepções modernas da economia porque ela representa a culminação do desenvolvimento do pensamento econômico que ocorreu ao longo dos séculos até o fatal advento da “era progressista” principalmente na Europa continental, nas mãos dos pensadores escolásticos da Idade Média e nas mãos dos liberais franceses (como Turgot, Cantillon e Say). Tais pessoas podem ter estudado a ciência econômica sob a forma do que passou a ser conhecido como “ciências morais” no século XIX; mas o seu impulso para fazê-lo deveu-se muitas vezes à inata vontade do ser humano de entender melhor o mundo e as leis naturais que o regem. O seu interesse era na economia como economia e não na economia como um simples instrumento político para fazer com que o governo pareça mais científico, eficiente ou benigno. (Na realidade, ele é exatamente o oposto dessas coisas.)
Portanto, para a finalidade de estudar a economia como uma ciência pura e simples, principalmente em uma época em que a confusão econômica parece reinar, não é uma má escolha iniciar os estudos com Carl Menger.
Menger nasceu na Galícia, uma região então austríaca que agora faz parte da Polônia, em uma família abastada com raízes na Boêmia. Durante os intervalos dos seus estudos de direito nas universidades de Praga e Viena, Menger trabalhou como jornalista econômico, obtendo algum grau de destaque ao escrever romances e comédias que foram publicados em capítulos em diversos jornais.
Foi durante o seu tempo como jornalista que Menger percebeu pela primeira vez a importância das diferenças entre as doutrinas econômicas clássicas sobre os fenômenos de mercado e os eventos do mundo empresarial real que cobriu no decorrer da sua atividade profissional. Logo após receber o seu diploma de direito da Universidade da Cracóvia, em agosto de 1867, Menger mergulhou no estudo formal da economia política em uma tentativa de melhor entender e resolver essas discrepâncias um esforço que resultou na publicação, em 1871, do livro Princípios de Economia.
Embora Menger tenha reconhecido que os economistas clássicos fizeram contribuições significativas para o desenvolvimento da teoria econômica, ele considerou que uma das suas principais deficiências se encontrava em suas análises dos consumidores, deficiência essa que talvez estivesse condensada (a) em sua ênfase na teoria do “valor-trabalho” e (b) em sua rudimentar — e até mesmo superficial — teoria dos preços (que explicava os preços como fenômenos resultantes principalmente dos cálculos econômicos feitos pelos empresários). A mais notável contribuição de Menger em sua obra Princípios de Economia foi a introdução da supremacia dos consumidores na determinação do valor e (por extensão) dos preços — e isso não apenas nas típicas transações no mercado, mas também na atividade econômica inteira.
A abordagem mengeriana, que hoje chamamos de “ciência da praxeologia”, enfatizou a importância da ação humana individual decorrente do desejo de satisfazer necessidades percebidas e da relação dessas necessidades com o mundo externo. O fato de haver (1) uma necessidade que se faz sentir e (2) o conhecimento de que o mundo externo possui algumas características que permitem ao indivíduo satisfazê-la proporciona o fundamento para a ação humana lógica e para a valoração subjetiva dos bens (produtos e serviços), tanto dentro quanto fora do âmbito do mercado. Menger, ainda, observou que, à medida que o nosso conhecimento sobre o mundo externo se modifica, também mudam as necessidades individualmente percebidas. Os esforços no sentido de satisfazer necessidades que se fazem sentir pressupõem o reconhecimento das relações de causa e efeito que fornecem a base fundamental de todas as ações humanas.
Observe o quanto uma estrutura teórica dessa natureza é completamente irrelevante para os adeptos modernos das escolas keynesiana e chicaguista. A grande diferença é que essas duas escolas veem o indivíduo (o agente humano) como um mero objeto que precisa ser manipulado em prol do sucesso das suas políticas. Para os chicaguistas, esse sucesso se baseia em resultados de mercado que se aproximam o máximo possível dos seus ideais pré-concebidos em relação à eficiência do mercado; para os keynesianos, tal sucesso se baseia na concretização de arbitrários níveis de emprego a curto prazo que são obtidos na prática por meio da penalização da poupança e da promoção do consumo. De acordo com a doutrina de ambas as escolas, o indivíduo a pessoa humana é uma reles engrenagem de uma máquina econômica, devendo ser coagido a agir de maneiras que façam os sistemas delas funcionarem. Esse ponto de vista é moderno as suas raízes se encontram na “era progressista” e contrasta com a ciência econômica desenvolvida desde os trabalhos de Aristóteles até os escritos de Carl Menger (e aprimorada por aqueles que desenvolveram o sistema de Menger).
Todavia, na década de 1870, Menger, ousada e corajosamente, aplicou as suas implicações teóricas na determinação do valor. Ele observou que, uma vez que os bens (produtos e serviços) são externos ao indivíduo e são reconhecidos subjetivamente como detentores de qualidades que possibilitam a satisfação de necessidades, eles poderiam ser discriminados em ordens (categorias) diferentes. Em seu livro Princípios de Economia, Menger descreveu os bens de primeira ordem como bens que consumimos para satisfazer necessidades. Esses são os bens de consumo.
Os bens de segunda ordem são bens necessários para a produção dos bens de primeira ordem; assim, enquanto que um carro pode ser um bem de primeira ordem que satisfaz a necessidade de transporte, os bens de segunda ordem seriam o vidro, a borracha, o cromo e todos os demais insumos que compõem o carro. Os bens de terceira ordem são todos aqueles bens que são necessários para a produção de bens de segunda ordem e assim por diante, com as formas mais complexas de produção sendo caracterizadas como ordens de produção mais distantes.
Entretanto, o valor de todos os bens de quaisquer ordens é derivado do desejo subjetivo inicial, por parte do indivíduo, de satisfazer uma necessidade que se faz sentir; portanto, a borracha tem valor não em si própria ou no trabalho realizado para a sua produção, mas sim no desejo humano inicial de satisfazer a necessidade de transporte, o que resulta em uma preferência humana por carros. Essa visão dos bens econômicos contrastava fortemente com a noção dos economistas clássicos de que o valor dos insumos econômicos se baseia em sua utilidade técnica na produção. A teoria do valor de Menger significa uma ampliação da Lei de Say (“a oferta cria demanda”); e ela é a resposta teórica adequada para os excêntricos estudiosos da moeda e do crédito (tanto os da época de Menger quanto os da época atual) que não veem diferença entre o capital criado e gerenciado pelo governo e o capital gerado e administrado pelo setor privado.
Na verdade, o capital gerado e administrado pelo governo satisfaz as necessidades da classe política e dos interesses especiais mancomunados com ela, ao passo que o capital criado e gerenciado pelo setor privado é direcionado para a satisfação dos desejos dos consumidores.
Se não fosse pela influência do estado no desenvolvimento do pensamento econômico do século XX, é muito provável que Carl Menger seria considerado hoje em dia como um importante economista clássico que corrigiu conhecidas deficiências da escola clássica. E jamais teria sido considerado necessário que a economia clássica se metamorfoseasse ao longo do tempo em diversas escolas neoclássicas caracterizadas pelo uso de ferramentas adequadas somente para as ciências exatas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário